Na senda das tertúlias de antigamente, estes serão encontros informais, para conversarmos sobre livros e leituras, para lermos em voz alta, para ligarmos a literatura a outras artes. Enfim, para partilharmos emoções, palavras, experiências.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Encontro de hoje adiado

Lamentando o incómodo eventualmente causado, teremos que adiar o encontro de hoje sobre Alberto Caeiro, devido a uma gripe molesta!
Encontrar-nos-emos dia 20 de Dezembro à mesma hora.
Até lá, boas leituras!

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Alberto Caeiro


A Isabel Alves mandou-nos este mimo. Obrigada!


Dois olhares (ou um só?)

O ‘Mestre’ (desenho de Fernando Pessoa)


O Meu Olhar (de Alberto Caeiro)
...
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...
Amar é a eterna inocência

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Continuamos a ler Pessoa



No passado dia 21, muito houve a dizer sobre Mensagem. Se quiserem descobrir mais sobre essa obra de Pessoa, sigam o link que connosco partilharam o João e a Isabel aqui.

Vemo-nos a 12 de Dezembro, com Alberto Caeiro!



Deixo-vos com um pertinente comentário, da autoria de Sara Calado, que nos chegou por e-mail:


Bom Dia,

No seguimento da participação no Colóquio “Intercâmbio Cultural: Diálogos Brasil-Portugal” esta manhã, considerei importante partilhar a referência do diretor da TV Globo Europa, Ricardo Pereira, ao 77º aniversário da morte de Fernando Pessoa, ontem dia 29 de novembro.

É de frisar também dentro deste contexto, o Ano de Portugal no Brasil que teve início em setembro deste ano e celebra o intercâmbio cultural entre estes dois países, procurando o crescimento de um dinamismo social e a profundidade um conhecimento recíproco.

Assim sendo, quem melhor para prestar homenagem à língua que une estas duas pátrias Portugal e Brasil, que Fernando Pessoa? Esta homenagem, num dia que fica marcado pelo seu desaparecimento, deve ser feita e, através dela, entender quantos mundos emergiram da sua literatura unindo línguas e identidades.

Há 77 anos, Portugal perdeu um dos maiores poetas da Humanidade e ganhou um Mundo.



Sara Calado
30 de novembro de 2012

(*Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico)

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Mensagem, de Pessoa a 21 de Novembro




As Quartas com Letras, organizadas pela Quadricultura Associação, continuam com a leitura e discussão da obra de Fernando Pessoa já no próximo dia 21 de Novembro. Desta vez, leremos Mensagem.

Para quem tiver dificuldades em encontrar a obra de Pessoa, deixamos dois links úteis:

Para consultar livremente a obra

A Casa Fernando Pessoa

Boas leituras!

domingo, 14 de outubro de 2012

Programa dos próximos encontros: Pessoa

As Quartas com Letras dos próximos 6 meses terão como protagonista Fernando Pessoa e os seus heterónimos:



17 de Outubro de 2012   FERNANDO PESSOA

21 de Novembro de 2012   FERNANDO PESSOA: MENSAGEM

12 de Dezembro de 2012   ALBERTO CAEIRO

23 de Janeiro de 2013   ÁLVARO DE CAMPOS

20 de Fevereiro de 2013   RICARDO REIS

20 de Março de 2013    BERNARDO SOARES: O LIVRO DO DESASSOSSEGO


Contamos também organizar um passeio pela Lisboa de Pessoa.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Leituras de Férias

Após a pausa estival, soube bem o regresso às conversas sobre Literatura. Mais uma vez, acabámos por falar não só de livros, mas também de muitos outros assuntos, pois, se olharmos para o Mundo com atenção, tudo nos leva ao exercício da escrita e da leitura.
Durante as férias, lemos muito e lemos bem! No último encontro ficara definido que cada um teria a liberdade de escolher as próprias leituras, sem o dever de cumprir qualquer obrigação. E que belas escolhas! Os 14 participantes falaram de:

Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra, Mia Couto, Leya.

Silêncio: o poder dos introvertidos num mundo que não para de falar, Susan Cain, Temas e Debates / Círculo de Leitores.

Ler o Mundo, Affonso Romano de Sant'Anna, Global Editora.

O Caderno Vermelho da Rapariga Karateca, Ana Pessoa e Bernardo Carvalho (ilustr.), Planeta Tangerina.

Caderno de Agosto, Alice Vieira, Caminho.

Aparição, Vergílio Ferreira, Quetzal.

Manhã Submersa, Vergílio Ferreira, Bertrand.

A Contadora de Filmes, Hernan Rivera Letelier, Editoral Presença.

Chega de Saudade: A história e as histórias da Bossa Nova, Ruy Castro, Companhia das Letras.

Estrela Solitária: Um brasileiro chamado Garrincha, Ruy Castro, Companhia das Letras.

 O Anjo Pornográfico, Ruy Castro, Companhia das Letras.

Uma Abelha na Chuva, Carlos de Oliveira, Sá da Costa.

Cosa Nostra: um século de história da Máfia, Eric Frattini, Bertrand.

Os Miseráveis, Victor Hugo (foi-nos apresentada uma edição de 1864!)

Os Homens que Odeiam as Mulheres, Stieg Larsson, Oceanos (1º Volume Trilogia Millennium).

Desde Que o Samba é Samba, Paulo Lins, Caminho.

Ao Princípio era Eu - Autobiografia, António Victorino d'Almeida, Clube do Autor.

Um Tiro na Bruma, Manuel Cardoso, Sopa de Letras.

Esteja eu onde estiver, Romana Petri, Bertrand.

Um Lugar Dentro de Nós, Gonçalo Cadilhe, Clube do Autor.

O Teu Rosto Será o Último, João Ricardo Pedro, Leya.

A Biblioteca das Sombras, Mikkel Birkegaard, Porto Editora.

Marquesa de Alorna, Maria João Lopo de Carvalho, Oficina do Livro.

Os Pilares da Terra, Ken Follett, Editorial Presença.

As Benevolentes, Jonathan Littell, Dom Quixote.

O Mestre da Sensibilidade, Augusto Cury, Livros d'Hoje.

Entardecer, Américo Lourenço, Chiado Editora.

A Metamorfose, Franz Kafka, Relógio D'Água.

Livro do Desassossego, Fernando Pessoa (Bernardo Soares), Assírio & Alvim.

O Inverno do Nosso Descontentamento, John Steinbeck, Livros do Brasil.

Um Assassino entre os Filósofos, Philip Kerr, Editorial Presença.

Catedral, Raymond Carver, Quetzal.

Poesia de Álvaro de Campos, Fernando Pessoa, Assírio & Alvim.

O Tigre Branco, Aravind Adiga, Editorial Presença.

Longe do Meu Coração, Júlio Magalhães, A Esfera dos Livros.

A Tia Júlia e o Escrevedor, Mario Vargas Llosa, Dom Quixote.

Fábrica de Oficiais, Hans Helmut Kirst, Publicações Europa-América.


Nas próximas férias, já temos muito por onde escolher!


Daqui a 2 dias, teremos notícias acerca das próximas leituras. Até lá!


terça-feira, 25 de setembro de 2012

Segunda temporada!

O último encontro das Quartas com Letras antes das férias de Verão foi assim:









No Jantar Literário de 18 de Julho, foi esta a ementa:

QUARTAS COM LETRAS          Quadricultura Associação

JANTAR LITERÁRIO 18.07.2012
Comer e ler são experiências de nutrimento, física e emocionalmente gratificantes, para qualquer ser humano. Ler (como podemos provar mais uma vez à roda de uma mesa cheia de comida e de livros) não é consumir, significa antes partilha, comunicação, interação. Há que digerir as nossas leituras, dar-lhes tempo para que cresçam connosco e para que cresçamos com elas. Que os nossos encontros sejam sempre momentos de leitura ativa, participada, para reconhecer, refletir, criar.
                                                                                                                                             Paula Cusati
MENÚ

PARA COMEÇAR
Sopa fria de tomate e pêssego perfumada com coentros, servida com A que sabe esta história, de Alice Vieira.
Quiche à Tertuliano e batatas com molho de natas e funcho, servidas com A Arte da Viagem, de Paul Theroux.
Omete de salsa e limonada gelada, servidas com Afirma Pereira, de António Tabucchi.

PARA CONTINUAR
Polenta com ovos cozidos e petingas e Salada de alface com ovos de codorniz, ovas de esturjão e cebolinhas de Mântua, servidas com Notas de Cozinha de Leonardo Da Vinci , de Shelag & Jonathan Routh.

Arroz de bacalhau do Inspector Jaime Ramos, servido com Ancoradouro, crónica de Francisco José Viegas.
Frango Assado, servido com Um Refúgio para a Vida, de Nicholas Sparks.

PARA TERMINAR
Fatias douradas feitas a dois, servidas com Escola de Noivas, de Laura Santos.
Aletria com as iniciais do Conselheiro Acácio desenhadas a canela, servida com vinho do Porto e O Primo Basílio, de  Eça de Queirós .
Mousse de Chocolate, servida com um antigo livro de cozinha cheio de memórias.
Quindim de coco e bolinhos sortidos, servidos com Chá Louco da Alice no País das Maravilhas, de Lewis Caroll.




Espero que tenham ficado com água na boca! Juntem-se a nós! Regressamos já amanhã às 20:30 na sede da Quadricultura. Falaremos das leituras de Verão de cada um de nós e discutiremos o plano para os próximos seis meses. Deixo-vos uma pista: Fernando Pessoa.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Um delicioso petisco literário - crónica de Francisco José Viegas


A Isabel Alves deixa-nos um excelente exemplo de um delicioso petisco literário:


- ANCORADOURO -
(Excerto de uma crónica de Francisco José Viegas)
O Ancoradouro, em Moledo, é uma referência fundamental para o nosso apetite. Simplicidade que comove, generosidade na mesa, simpatia absoluta. Uma grelha abençoada à beira do mar do Minho.

“(….) Da última vez que passei no Ancoradouro, dividimos um costeletão e uma posta barrosã. Éramos quatro. Não quero, como nosso amado Camilo escrevia, referir-me à refeição para que ela seja «reedificada com adjectivos pomposos e advérbios rutilantes». Basta o essencial: foi um momento de altíssima metafísica.
Depois de a alheira passar junto das pituitárias e de ser recebida e devorada com aplauso e proveito, vieram então a posta e o costeletão. Eu sou adepto deste último, que vem até à mesa sem cambalear, golpeado para apenas mostrar de que frescura é feita aquela carne, rescendendo a alho, a azeite e a uma leve acidez que poderia ser de limão, mas não é.
Em procissão, e ainda debaixo do pálio, vinha uma caçarola de barro com arroz de feijão e grelos e uma outra, mais baixa e redonda, repleta de grelos de couve ou, como se diz apropriadamente no Norte, de espigos.
«Suavíssimo arranjo!», riu João da Ega, o dos Maias, comentando o caso de Carlos da Maia e da senhora condessa de Gouvarinho. Pois a este conjunto à mesa do Ancoradouro apenas faltava o perfume de verbena da senhora condessa antes de ir em devoção ao Senhor dos Passos. O resto estava tudo lá: a tentação, a luxúria, todos os pecados – acumulando-se uns sobre os outros, chamando por mim das labaredas do Inferno.
Quando pedi uma cerveja (o vinho do Douro tinha já partido e eu ainda não tinha provado a selecção de verdes tintos) para repousar, antes da sobremesa, lembrei-me da enumeração: crepes de doce de morango caseiro, de banana, chocolate, mel e baunilha; depois, sorvete de limão, manga e framboesa; depois, ainda, leite-creme queimado, claras em castelo com chocolate ou com doce de ovos, creme de castanha com natas ou bolo de chocolate. Fantástico. Desisti. Pedi o mesmo de sempre: queijo com doce de abóbora.
Sim, depois bebi um whiskey e tomei dois cafés. E lá fui até à beira do mar, sentar-me e suspirar. Era o meu ancoradouro.
Março 25, 2006

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Jantar Literário 18 de Julho


Ao longo destes 9 meses de Quartas com Letras, partilhámos o prazer da leitura e saboreámos as palavras de muitos autores portugueses e estrangeiros. Agora que as férias estão a chegar, antes da nossa pausa de Agosto, gostaríamos de vos convidar para um encontro diferente, em que uniremos o gosto pela leitura ao prazer da boa mesa, num Jantar Literário, no dia 18 de Julho de 2012, às 20:3o, na sede da Quadricultura. 
Cada participante deverá trazer um petisco gastronómico e outro literário (poema, conto, crónica, excerto ou livro que fale de comida) para partilhar com os restantes tertulianos. De modo a podermos construir um verdadeiro menú literário - com entradas, pratos principais, sobremesas, bebidas, etc - que consubstancie a memória deste nosso encontro, pedíamos o favor, e agradecíamos desde já, que confirmassem a vossa presença e nos informassem acerca do que trarão. Se tiverem dúvidas, ou vos faltar a inspiração, não hesitem em contactar-nos.




quinta-feira, 21 de junho de 2012

Próximo encontro adiado para 28 de Junho

Pedindo desculpa a todos os que se juntam a nós nas Quartas com Letras, desta vez e forma excecional, o encontro terá que acontecer na quinta-feira, dia 28 de Junho, à hora habitual, na sede da Quadricultura.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Hoje com Antonio Tabucchi



Porque "em Literatura, tudo tem a ver com tudo".

                                                                         Antonio Tabucchi

terça-feira, 24 de abril de 2012

Palavras para contar Abril!

Ao ler o livro que foi tema do nosso último encontro, fiquei maravilhada com estas palavras de José Luís Peixoto, na crónica "Impossível é não viver". Considero-as perfeitas para desejar a todos um bom Dia da Liberdade:

" Se te quiserem convencer de que é impossível, diz-lhes que impossível é ficares calado, impossível é não teres voz. Temos direito a viver. Acreditamos nessa certeza com todas as forças do nosso corpo e, mais ainda, com todas as forças da nossa vontade. Viver é um verbo enorme, longo. Acreditamos em todo o seu tamanho, não prescindimos de um único passo do seu / nosso caminho.
Sabemos bem que é inútil resmungar contra o ecrã do telejornal. O vidro não responde. Por isso, temos outros planos. Temos voz, tantas vozes; temos rosto, tantos rostos. As ruas hão-de receber-nos, serão pequenas para nós. Sabemos formar marés, correntes. Sabemos também que nunca nos foi oferecido nada. Cada conquista foi ganha ao milímetro. Antes de estar à vista de toda a gente, prática e concreta, era sempre impossível, mas viver é acreditar. Temos direito à esperança. Esta vida pertence-nos."


                                                                              in Abraço, Quetzal Editores, 2011.

P.S. Estas palavras encontram-se também gravadas no exterior da Biblioteca Municipal de Sines, no âmbito da sua já habitual iniciativa denominada "Do Chão Brotam Palavras".

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Resumo do último encontro

Na passada quarta-feira não falámos só de Abraço. Como é habitual nos nossos encontros, o livro escolhido leva a outras leituras e este não foi exceção. Falámos também de Morreste-me, LivroHoje Não, Cemitério de Pianos, Cal, A Criança em Ruínas, todos de José Luís Peixoto.

Porém, não ficámos por aqui! Ainda houve tempo para conversarmos brevemente sobre: Contos de São Petersburgo, de Nikolai Gógol, Os Pilares da Terra, de Ken Follett, 2666, de Roberto Bolaño e Parábola do Cágado Velho, de Pepetela.


O nosso próximo encontro será a 23 de maio e falaremos de Afirma Pereira, de Antonio Tabucchi, grande escritor italiano (mas também português) falecido no mês passado.

                                       

segunda-feira, 16 de abril de 2012

6º Encontro: 18 Abril


É já depois de amanhã o nosso próximo encontro: desta vez sobre Abraço, de José Luís Peixoto. Se ainda não leu este, mas gosta de outros livros do mesmo autor, venha ter connosco na mesma. Estaremos à sua espera na sede da Quadricultura Associação, às 20:30.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Resumo do Encontro do Dia Mundial da Poesia

Ontem lemos Pessoa, Sophia, O'Neill, P.B. Shelley, Natália Correia, Ti Manuel José do Tojal, Fernando Namora, Carlos Drummond de Andrade, Ruy Belo, Camões... entre outros.
Muitos e bons poemas que nos encantam os dias até ao próximo encontro a 18 de Abril, em que nos reuniremos para falar do livro Abraço, de José Luís Peixoto. Se não o conseguir ler, traga outro livro (à sua escolha) deste autor.

domingo, 18 de março de 2012

5º Encontro: 21 Março DIA MUNDIAL DA POESIA

É já na próxima quarta-feira, o nosso próximo encontro. A 21 de Março festejamos a Poesia. Junte-se a nós e traga os seus poetas preferidos. Se tiver dificuldade em escolher, siga o nosso conselho: assista ao Câmara Clara de hoje:


CONVIDADOS: ----------------------------------
Bernard Pivot, a referência do jornalismo cultural em França, diz que não é possível falar de Poesia em televisão. Que a Poesia é uma matéria demasiado delicada para sobreviver à sobre-exposição. Nesta emissão dedicada à Poesia, o Câmara Clara segue as recomendações de Pivot e vai dar-lhe… Poesia. De Pessoa a Sophia, de O'Neill a Ruy Belo e a Cesariny, entre muitos outros. E vai contar-lhe algumas histórias ligadas à Poesia: José da Cruz Santos, o veterano dos editores, assinala em 2012 cinquenta anos de um percurso editorial em que se destaca a obra de Eugénio de Andrade; os diseurs que abriram caminho às novas gerações da Poetry Slam merecem a nossa homenagem: de João Villaret a Mário Viegas passando, claro, por Germana Tânger, Eunice Muñoz, João Grosso. Finalmente: sabia que pelas Prisões de Portugal circula por estes dias um espetáculo de Poesia que oferece liberdade e alegria? Eis uma emissão especial do CC em que, em vez de um ou dois convidados, oferecemos a Poesia de mais de uma dezena. 

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Resumo do encontro de hoje

Noite cheia de boas leituras e boas conversas: para além de Um Amor Feliz, de David Mourão-Ferreira, falámos também de:

Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco
Nem tudo começa com um beijo, de Jorge Araújo e Pedro Sousa Pereira, Oficina do Livro
O Amor o que é?, de José Jorge Letria e Catarina França, Ambar
A Melodia do Amor, de Lesley Pearse, ASA
Eu Espero, de Davide Calì e Serge Bloch, Bruaa
Oficina de Corações, de Arturo Abad e Gabriel Pacheco, OQO.

O nosso próximo encontro, totalmente dedicado à POESIA, terá lugar a 21 de Março. Contem desde já com muitas surpresas!

E porque amanhã está mesmo a chegar e o grande Zeca Afonso deixou-nos a 23 de Fevereiro de 1987 (há já 25 anos!), aqui fica Era um redondo vocábulo . Obrigada, Rangel, pela sugestão!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Amanhã há Quartas com Letras!


É já amanhã, às 20:30, mais um encontro das Quartas com Letras. Falaremos do livro Um Amor Feliz, de David Mourão-Ferreira.  
As leituras e as conversas, no entanto, não se limitarão a este livro e a este autor. Para quem não conseguiu ler o livro sugerido, propomos que tragam as vossas leituras actuais ou as vossas preferidas sobre a temática do Amor.  Contamos com a vossa participação! 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Faz-nos falta o grande Fernando Assis Pacheco


Faria hoje 75 anos. Porque nos faz tanta falta, sobretudo nestes tempos sombrios, não queremos deixar de lhe prestar homenagem relembrando:


O Poeta no Supermercado

I
Indignar-me é o meu signo diário.
Abrir janelas. Caminhar sobre espadas.
Parar a meio de uma página,
erguer-me da cadeira, indignar-me
é o meu signo diário.

Há países em que se espera
que o homem deixe crescer as patas
da frente, e coma erva, e leve
uma canga minhota como os bois.
E há os poetas que perdoam. Desliza
o mundo, sempre estão bem com ele.
Ou não se apercebem: tanta coisa
para olhar em tão pouco tempo,
a vida tão fugaz, e tanta morte...
Mas a comida esbarra contra os dentes,
digo-vos que um dia acabareis tremendo,
teimar, correr, suar, quebrar os vidros
(indignar-me) é o meu signo diário.

II
Um homem tem que viver.
e tu vê lá não te fiques
- um homem tem que viver
com um pé na Primavera.

Tem que viver
cheio de luz. Saber
um dia com uma saudade burra
dizer adeus a tudo isto.
Um homem (um barco) até ao fim da noite
cantará coisas, irá nadando
por dentro da sua alegria.

Cheio de luz - como um sol.
Beberá na boca da amada.
Fará um filho.
Versos.
Será assaltado pelo mundo.
Caminhará no meio dos desastres,
no meio de miostérios e imprecisões.
Engolirá fogo.

Palavra,
um homem tem que ser
prodigioso.
Porque é arriscado ser-se um homem.
É tão difícil, é
(com a precariedade de todos os nomes)
o começo apenas.

in A Musa Irregular, Asa, 1996.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Resumo do encontro de ontem

O encontro de ontem teve como ponto central de discussão Claraboia, de José Saramago. No entanto, falou-se também de outros livros, a propósito da citação inicial:  

“Em todas as almas, como em todas as casas,
Além da fachada, há um interior escondido.”
                                            Raul Brandão

Espreitámos Onde moram as casas, de Carla Maia de Almeida e Alexandre Esgaio, Caminho, aqui. E ainda este álbum maravilhoso.

Foram lidos em voz alta poemas de Fernando Pessoa e de José Régio.
Falou-se ainda de:
Valter Hugo Mãe (O filho de mil homens)
Eça (A Tragédia da Rua das Flores e As Minas de Salomão)
Agualusa (A Educação Sentimental dos Pássaros)
Keith Richards (Life)


O nosso próximo encontro será no dia 22 de Fevereiro, em volta do tema AMOR, a partir deste livro:



Para entrarmos já no tema, um poema de  Eugénio de Andrade , que faria hoje 89 anos.   

Urgentemente

É urgente o Amor,
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros,
e a luz impura até doer.
É urgente o amor,
É urgente permanecer.

                     Eugénio de Andrade
                (19.01.1923 – 16.06.2005)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

3º Encontro: 18 Janeiro 2012

É já na próxima  quarta-feira o 3º encontro das Quartas com Letras. Desta vez, falaremos acerca de Claraboia, de José Saramago. Para quem quiser descobrir algo mais sobre a obra, basta clicar aqui ou ali. Ou, então, ouça o que diz o editor da Caminho sobre este livro de Saramago.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012